A Cozinha apaixonante assinada por António Loureiro

Diz o ditado que “o bom rebento à vivenda torna”. O vimaranense António Loureiro podia muito ilustrar a sabedoria popular. Regressou à terreno natal, Guimarães, e abriu um projeto em nome próprio. É n’ A Cozinha por António Loureiro que a magia acontece…

No primeiro andejar há um espaço para refeições mais privadas e um terraço com uma horto de aromáticas. A sala principal é pequena, mas enorme na experiência que promove. Cores neutras e um envolvente deleitável, em que dá paladar participar, tentando sempre que verosímil espreitar a azáfama que toma conta do fogão, dos tachos e panelas.

António Loureiro é um director de cozinha simples e simpático. Cumprimenta quem chega e deseja-lhe uma boa repasto. Depois, começa a apurar os temperos e tempos de cozedura. Concentra-se nas milénio e uma formas que descobre para dar sabor e alegria aos pratos.

São vários os caminhos propostos no restaurante A Cozinha por António Loureiro (Largo do Serralho, Guimarães. Tel. 253 534 022). Pode pedir propostas à missiva ou escolher um dos dois menus de degustação. O “Tradição” (€45) explora territórios consensuais e familiares. Com o “Momentos” (€65), abre-se o leque a um naipe de criações mais contemporâneas e de novidade cozinha.

No menu de “Estação” (€45), o director aprofunda uma das suas características: o privilégio da sazonalidade dos produtos. Já foram feitas incursões em torno da trufa e da caça. Desta vez, é o fumeiro a guiar o almoço.

Originalidade

A penetrar, um snack em forma de cone com recta a truta salmonada, alcaparras, ovas de tobiko e lupu, combinados com elementos de terreno, uma vez que a batata-doce, o puré de cenoura e o presunto de Chaves. Esta saudação é precedida pela caça e a “Perdiz de escabeche com trufa. No terceiro momento, serve-se a Trufa transmontana, que vem com alheira de Vinhais, oliva e alho.

Leia mais:  Marisqueiras em Lisboa: 10 restaurantes obrigatórios

A ingresso nos pratos principais faz-se à luz uma “Lula enxurrada”, que traduz de forma réplica segmento do noção de António Loureiro: a relação ao campo, aos ingredientes naturais, o jogo de contrastes e o recurso a novas técnicas. A proteína é servida com ervilha, chouriço, esferificação e rebentos de ervilha. Na base, uma gelificação feita a partir de ágar-ágar e um caldo de enchidos, incluindo morcela e alheira. Delicioso…

Com o Bacalhau no cinzeiro, o efeito da “cinza” é conseguido através do chouriço de cebola de Ponte de Lima. Identificam-se ainda a ventre fumada por cima do bacalhau, guisado de grão e um curioso “tomate” criado por António Loureiro. Essa geração segmento da mistura de tomate cherry com pimentão fumado, beterraba, óleo e vinagre balsâmico. É tudo triturado, juntamente com clara de ovo e gelatina vegetal, e transformado numa mousse. Depois, o duelo é “reconstruir” o tomate, que serve insensível e com ramalhete de capuchinha.

Músculos e sobremesa

A disponibilidade, simpatia e rapidez da equipa de sala são notáveis. Seja para o casaco que é preciso pendurar, o objeto que cai ao solo e é preciso colher, a resposta às perguntas sobre ingredientes não identificados ou a muito importante harmonização vínica.

A missiva de vinhos é muito composta, abrindo com champanhes e vinhos verdes e abrangendo várias regiões, incluindo muitos DOC durienses. Os pairings de vinhos definidos para os menus de degustação custam entre €20 e €25. Sugere-se o Callabriga novidade colheita 2015, da Vivenda Ferreirinha, para realçar os sabores do Lombo de bísaro com toque de fumo, cozinhado a baixa temperatura. A mesocarpo acompanha com puré de castanha, cogumelos Boletus, Trompetas amarelas, migas de óleo e linguiça de Vinhais, e assim se consolida o tema do menu.

Leia mais:  Mano a Mano: Cicciolina, Mona Lisa e a nova cozinha italiana de Lisboa

A Maçã e gin tónico limpa os sabores e, para terminar em muito, uma sobremesa apelativa: Cuscuz artesanal, aromatizado com chouriço rebuçado de Vinhais e “refrescado” com mousse de limão, telha de laranja, lima proveniente e um gelado de mandarina salpicado com raspa de limão. Gastronomia apaixonada, divertida, saborosa e um restaurante que dá vontade de entrar e não trespassar tão cedo!

Acompanhe o Boa Leito Boa Mesa no Facebook e no Instagram!


Você está assistindo: A Cozinha apaixonante assinada por António Loureiro

Manadeira:https://portowords.com

Categoria: viajar

Leave a Reply