Dez restaurantes a não perder no Algarve

Terreno de encantos vários, o Algarve guarda sempre à mesa várias surpresas, perfeitas para refeições demoradas com sabores tradicionais e uma boa pitada de inovação.

São Gabriel (Quinta do Lago)
Mudou ligeiramente a decoração, criando um espaço ainda mais intimista, palco perfeito para que a originalidade de Leonel Pereira desfile ao sabor da primavera. Ajustada ao que a terreno e os mercados podem fornecer, esta requintada vivenda às portas da Quinta do Lago apresenta novidade epístola, moderna e cosmopolita, onde as técnicas ancestrais se aliam aos melhores produtos para resultados deslumbrantes. Deixe-se tentar pelo borrego em sabores da chanfana, pelo crocante de à Brás de bacalhau e ovo codorniz em baixa temperatura, e pelo pombo torcaz com pringle de arroz e chuva de laranjeira. Estes pratos fazem secção do Menu de Degustação (€79), que termina de forma fresca com um creme de violetas e chuva de alfazema. Estrada de Vale do Lobo, Quinta do Lago Tel. 289 394 521

Noélia e Jerónimo (Cabanas de Tavira)
As obras recentes somente trouxeram um rasgo de modernidade ao espaço, que continua a ser simples e rendeiro. Nestes dias em que todos rumam ao sul é profíquo ir cedo ou marcar mesa, porque já se sabe que a qualidade dos petiscos saídos das mãos de Noélia é capaz de atrair multidões. Da cozinha avisam que a ementa muda todos os dias, ao sabor do que as redes apanham e do que o mercado é capaz de proporcionar. Além das já clássicas pataniscas de polvo e da raia alhada, esta Páscoa conte com lingueirão salteado (€20) para duas pessoas e com uns filetes de biqueirão albardados com arroz de favas. Avenida Ria Formosa, Prédio Cabanas-Mar, Cabanas de Tavira Tel. 281 370 649

EMO (Vilamoura)
Os “dois mundos” algarvios estão sempre presentes nas propostas do EMO. De um lado o sossego serrano, áspero e muitas vezes incompreendido, em contraste com o fulgor da costa marítima. Neste contexto, o Chef Bruno propõe lombo de tamboril e toucinho fumado, esparregado, gnochis de batata e requeijão, molho de vinho tinto. Alinhando com um sorriso na febre do gin, o superintendente do principal restaurante do hotel Tivoli Victoria sugere lombinho de porco nas terras do gin, croquete do rabo, batata-doce roxa, alho gálico fumado e cogumelos shimeji. Pratos para desvendar à epístola ou em menus de degustação (Tradição a €62 e Momentos a €80). Tivoli Victoria, Avenida dos Descobrimentos, Vilamoura. Tel. 289 317 000

A Terreiro do Mel (Vila do Papa)
A natureza típica deste restaurante, evidenciado no meio de um espaço onde em tempos existiu uma eirado, diz que nem a Páscoa se fazia sem que o borrego fosse à mesa, assado no forno com batatinhas coradas e esparregado a seguir (€15). Cumpre-se assim a tradição, lembrando o superintendente José Pinho que apesar da idade, os clássicos que fizeram a moradia continuam à disposição. Aposta segura é a cataplana de polvo com batata-doce de Aljezur (€35, para duas pessoas), muito porquê os percebes e a moreia frita. A garrafeira merece atenção redobrada e convém, independentemente da escolha do prato principal, vigiar espaço para o queijo de figo. Enfim de contas, e já que se fala em tradição, foi cá que esta iguaria nasceu. Estrada do Castelejo, Vila do Papa. Tel. 282 639 016

Leia mais:  Restaurante Vallécula: um pequeno grande tesouro gastronómico

Morgadinho (Carvoeiro)
Usa somente os melhores ingredientes do mercado para lhes dar um cunho pessoal, contemporâneo, sem que se percam os sabores e a autenticidade dos produtos usados. Assim é Louis Anjos, que por estes dias apresenta a novidade epístola do restaurante, precisamente a pensar nas miniférias da Páscoa. Tente-se com o borrego, a cenoura algarvia e a oliva, com o pato pastinaca com medronho ou com os cogumelos, o chocolate e o pistácio, conjugados numa deliciosa sobremesa. Valor seguro é permanecer pelo cozido reinventado e pela tradução pessoal de Louis Anjos do clássico frango da Guia. Atente à boa garrafeira, com várias referências a copo, e magnífico aconselhamento. Suites Alba Resort & Spa, Praia de Albandeira, Carvoeiro Tel. 282 380 700

Veneza (Mem Moniz)
A união entre o vinho e a comida está na génese desta moradia, situada longe da animação balnear, muito perto da localidade de Paderne. Cada prato na ementa assenta na teoria de que foi confecionado com vagar, primor e delicadeza, de modo a que a cada garfada recorde os cozinhados da avó e com os sabores da cozinha tradicional portuguesa. Por estes dias vão marchar entretidos a demoradamente assar o cachaço de porco preto no forno, o borrego da mesma maneira e a condimentar o cozido típico algarvio (€14.50). Perdida-se pela garrafeira e aprecie a máquina de vinho a copo, todas as semanas a servir sugestões de primeira qualidade. EN 395, Mem Moniz, Albufeira. Tel. 289 367 129

Henrique Leis (Vale Formoso)
A originalidade deste superintendente brasílico, enamorado por Portugal, não tem limites. Alia-se a leste dom o domínio perfeito que tem da arte e da pintura, resultando cada prato numa verdadeira obra-prima, plena quer de sabor quer de impacto visual. Recatado, Henrique Leis escolheu o Algarve que fica longe da frente mar, a meio caminho entre as praias e a serra, para ai fascinar a cada estação. Por estes dias a ementa vai chegar às mãos dos clientes com um supremo de vieira com uma galette de mandioca e miso (€20), e com um simples canelone de atum cru com molho nipónico (€20). Aproveite o bom tempo para tomar um {aperitivo} na varanda e demore-se pela exposição patente nas paredes do restaurante, observando os quadros, também criações de Henrique Leis. Rua Vale Formoso, Vale Formoso Tel. 289 393 438

Vista Restaurante (Praia da Rocha)
Não é demais declarar que leste é um daqueles casos em que um grande sigilo do Algarve está escondido adiante de toda a gente. Em plena Praia da Rocha, sobre a falésia e com o mar quase a entrar pelas janelas fica o Vista Restaurante, um espaço recatado no interno de um palácio elegante e muito zelo. Tem um novo superintendente, João Oliveira, que ostenta um invejável curriculum com passagens por alguns dos mais premiados restaurantes nacionais. Agora em nome próprio, estreia-se com pratos assumidamente para “degustar e relembrar”, tal porquê se pode ler na novidade epístola. Comece com foie gras e maçã, um escalope perfeito em brulê escoltado com maça assada em especiarias e Vinho do Porto (€25), continue com o robalo, grelhado com vegetais, folhas do campo e molho de funcho (€32), ou portanto com uma perna de borrego, cozinhada muito lentamente com topinambur, espargos e jus de mostarda e tomilho (€42). Bela Vista Hotel & Spa, Avenida Tomás Cabreira, Portimão Tel. 282 460 280

Leia mais:  Luxo: Os melhores hotéis de Cascais ao Guincho

Tasquinho O Manel (Vilamoura)
A vista da sala em madeira deste restaurante é privilegiada, sobre a Marina de Vilamoura, a partir do clube de vela. Vê-se a animação das entradas e saídas dos barcos enquanto se aproveita o melhor peixe e marisco disponível na lota durante a madrugada. Preserva o vista simples de tasca, com mesas em plástico e paredes de madeira, com um ar rústico e um jacente cheiro a brasa a perfumar o envolvente. Além dos grelhados, tem também grande oferta de petiscos, também confeccionados com aquilo que o mar dá em cada idade. Atenção que não há listas nem ementas, é preciso perguntar ao balcão o que a cozinha suplente nesse dia para almoçar ou jantar. Os preços oscilam entre os €20 e os €30. Marina de Vilamoura, Escola de Vela, Vilamoura Tel. 289 315 756

Pequeno Mundo (Almancil)
Desde março que apresenta a sua novidade epístola, onde se nota a mão do também novo superintendente, Valentim, que subiu de posto na cozinha deste restaurante liderado com grande simpatia por Joaquim Vilela. A inspiração e influência francesa mantêm-se, muito porquê a escolha cuidada dos produtos. Nas entradas, encontra sopa de mexilhões com volume folhada (€13,50), chamuça de músculos de novilho com compota de cebola (€12,50), sem olvidar o quebradiço foie gras, servido com pão de especiarias (€18,50). Nos peixes, destacam-se os filetes de peixe-galo com molho de pêssego (€29) e a versão caseira da muito francesa “bouillabaisse”(€28). Já nas carnes, a novidade epístola, aposta no peito de pato com frutos vermelhos e arroz selvagem (€23) e no carré de borrego em crosta de ervas aromáticas (€26,50). Caminho das Pereiras, Sítio das Pereiras, Almancil. Tel. 289 399 866


E Mais!

Com os pés na areia

2 Passos (Praia do Ancão)
Renovou o prédio, apresentando-se agora porquê um restaurante mais moderno e elegante, uma espécie de passarela para as tardes de sol na afamada e glamourosa Praia do Ancão. Mas preservou os critérios de servir somente o melhor dos mercados, avisando na ementa que a oferta está condicionada à qualidade dos produtos que conseguem comprar. Verificada essa premissa, espante-se com a frescura das pequenas favas que chegam à mesa sob a forma de salada, com a santola ligeiramente cozida em poldra salgada e com os jaquinzinhos fritos numa deliciosa tempura. O camarão de Moçambique é outro dos clássicos da moradia, devidamente escoltado pelo arroz à Passos. Preço médio: €30. Praia do Ancão, Almancil. Tel. 289 396 435

Leia mais:  Burro Ville: espírito mirandês em terras algarvias!

Caniço (Alvor)
É um dos mais exclusivos espaços algarvios. Fica na Praia dos Três Irmãos e é somente conseguível através de um túnel ou de um panorâmico elevador que desce pela falésia até ao interno do restaurante. O mar fica logo em frente, percebendo-se que também por isso a epístola é essencialmente composta por peixe e por marisco, grelhado ou ao sal. Estes dias as enormes lagostas, os camarões e os robalos recebem na epístola a companhia do cabrito que é apresentado assado no forno com batatinhas e legumes (€21). Nunca é demais recordar que em moradia de peixes a músculos também aparece na ementa. Destaca-se das outras opções o medalhão à superintendente (€25). Praia dos Três Irmãos, Aldeamento Turístico da Prainha, Alvor Tel. 282 458 503

Estaminé (Ilhota Deserta)
A viagem é obrigatoriamente feita de navio, e um dos atractivos deste restaurante, localizado em plena Ilhota da Barreta, mais conhecida porquê a Ilhota Deserta quase em frente à cidade de Faro. O trajectória deve ser feito com um guia para que durante aqueles minutos em que navega as calmas águas conheça melhor os habitantes da Ria Formosa. Uma vez chegado ao paraíso que é esta ilhota, percorra o passagem de madeira até ao único prédio existente e prepare-se para novidade experiência, desta vez de sabores. Porquê o mar, dizem com perdão, ainda não dá cabritos nem borregos, garantem só os mais frescos robalos, douradas e pregados grelhados com mestria ao sal. Preço médio: €30. Ilhota Deserta, Faro Tel. 917 811 856

Arte Navegação (Armação de Pêra)
O envolvente é marítimo, com o azul a dominar as almofadas das grandes cadeiras espalhadas pela sala. Pelas janelas entra o dourado da areia e o movimento relaxante do mar, proporcionando um envolvente retemperador e tranquilo. Abre cedo para almoço, a partir das 10 da manhã, e encerra tarde, normalmente com animação. Apesar da idade festiva a epístola não vai tolerar grandes alterações. Permanecem os peixes frescos grelhados, tal porquê os pratos tipicamente portugueses de marisco, as saladas, e ainda as refeições ligeiras. O Arte Navegação faz secção do Vila Vita Parc Hotel, mas encontra-se a murado de quatro quilómetros da unidade hoteleira. Mediante solicitação, o hotel providencia transporte. Preço médio: €30. Avenida do Rio, Armação de Pêra Tel. 282 314 875

E Mais!

Páscoa em família: Um lugar ao sol no Algarve

Versão adaptada de texto publicado no Expresso Quotidiano, de dia 26 de março de 2015

Acompanhe o Boa Leito Boa Mesa no Facebook!
*Oriente texto foi escrito nos termos do novo negócio ortográfico.

Você está assistindo: Dez restaurantes a não perder no Algarve

Natividade:https://portowords.com
Categoria: viajar

Leave a Reply