Rui Paula, “Chef do Ano 2020” reabre os três restaurantes e aposta na celebração de uma década de DOP

O dia 2 de junho de 2020 será, possivelmente, um dos dias mais importantes na curso de Rui Paula, depois da interrupção involuntária provocada pela covid-19. Até ao fechamento dos restaurantes devido à pandemia, o chef transmontano estava num crescendo único, marcado pela conquista da segunda estrela Michelin no restaurante Morada de Chá da Boa Novidade e continua com a realce de “Chef do Ano 2020” para o guia Boa Leito Boa Mesa, que coincide com a atribuição de um Garfo de Platina ao espaço de Leça da Palmeira. No horizonte estava também a estreia de Rui Paula na hotelaria, com o pregão da brecha de uma unidade de alojamento no Douro. Depois do fechamento obrigatório e das necessárias adaptações provocadas pela covid-19, oriente dia 2 de junho marca o volta em força, com a reabertura dos três restaurantes a que dá o nome, mantendo as ementas a que junta uma ou duas novidades em cada espaço: “Não há razão para mudar uma vírgula no que tinha planeado”.

No restaurante Morada de Chá da Boa Novidade (Rua da Boa Novidade, Leça da Palmeira. Tel. 229940066), Rui Paula vai manter a ementa, com sugestões de 21, 12 ou 6 cantos (pratos), inspirados em Camões (a partir de €120). A novidade é que decidiu incluir, na epístola, dois “clássicos” da curso: Arroz de peixe com Lavagante e Cataplana de peixe e marisco (€75/ 2 pax). O restaurante vai manter o serviço de almoço e jantar, com fechamento semanal ao domingo e segunda-feira.

A epístola da Morada de Chá da Boa Novidade tem 21 cantos, inspirados em Camões, sendo servidos em menus de seis, 12 ou 21 momentos, todos com o mar uma vez que ponto de partida.

Nelson Garrido

Na edição de 2020 do guia Boa Leito Boa Mesa (pode adquirirar na Loja Impresa) escreve-se, sobre a Morada de Chá da Boa Novidade: “A segunda estrela Michelin só surpreendeu os mais distraídos, uma vez que era óbvio o caminho que o chef vinha a percorrer, sabendo-se que nesta vivenda, monumento vernáculo, era inevitável que viesse a ocorrer. Mas Rui Paula é muito mais do que um óptimo cozinheiro. De forma inteligente, soube interpretar o sítio que lhe serve de palco, adequar a epístola de maneira a que seja o prolongamento do mar, e rodeou-se de uma equipa que o percebeu e trabalhou empenhada para conseguir oriente resultado.”

Já no restaurante DOC (Cais da Folgosa, Folgosa. Tel. 254858123) que celebra 15 anos de existência, a aposta é na magnífica esplanada, em cima do rio, com a intenção de que a vivenda continue a ser um emblema da restauração no Douro e ponto de paragem obrigatório para quem procura uma experiência gastronómica elevada. A localização, mesmo em cima do rio, e a cozinha apurada de Rui Paula, com foco nos ingredientes regionais, o serviço competente e a consistência global do projeto enquadram, mais do que a repasto, a experiência, para a qual também pode ir de paquete. Em dois menus de degustação ou à epístola (Preço médio €60), vinhos de superioridade, sempre renovados, acompanham a repasto.

Divulgação

Previstas estão também novidades, até ao termo do ano para o restaurante DOP (Largo de São Domingos, 18, Porto. Tel. 222014313) que oriente ano completa uma década de portas abertas. Se, inicialmente, foi um restaurante pensado para servir as memórias de uma vida à volta dos tachos e a cozinha tradicional de conforto que Rui Paula sempre soube fazer, vai tornar-se num espaço mais cobiçoso. Para já mantém-se o serviço à epístola e a esplanada sobre o Largo mais entusiasmado da cidade do Porto. O Menu Memória ou o Menu Mar são duas excelentes opções (preço médio €40).

Em 2010, Rui Paula regressa ao Porto para furar o restaurante DOP, no Palácio das Artes.


Você está assistindo: Rui Paula, “Chef do Ano 2020” reabre os três restaurantes e aposta na celebração de uma década de DOP

Leia mais:  Restaurante Pérola da Serra: Uma pequena joia em Palmela

Manadeira:https://portowords.com
Categoria: viajar

Leave a Reply